Dia de Libertadores. Noite de Hernane

Não importa que o adversário não era nada assustador e que poderia haver até uma goleada. Na Libertadores, vencer é o que importa.

Não importa o esquema errado onde o principal organizador da equipe fica encostado na direita, enquanto um argentino bem sem-sangue fica no papel da criação. No segundo tempo, entra um menino que até janeiro era desacreditado e muda o jogo.

Não importa o lateral fora de forma vaiado em toda partida. Uma jogada inteligente na ponta e um cruzamento rasteiro simples garantem sua boa nota no jornal no dia seguinte.

Não importa o time perdido taticamente. Perto de 40 mil pessoas, ele consegue se achar.

Desde a dúvida nas arquibancadas, até a euforia quando no placar aparecia “Hernane 9” na escalação. Desde o alívio com o primeiro gol e a quebra do ferrolho, até a explosão quando ele balançou a rede. Ou, apenas, “brocou”. Eles vibraram, mais do que o normal. Era o possível último gol do rapaz vestindo a camisa rubro-negra.

O jogo era importante, mas não vida-ou-morte. O dia era de batalha no campo, mas também da provável despedida de um indivíduo que ganhou o coração de milhões.

Um “perna-de-pau” com a canela mais precisa do mundo, um “pereba” que nasceu virado pra Lua, um xodó que virou ídolo.

Exagero chamá-lo de ídolo? Pergunta para aqueles 40 mil.

Pois lá dentro daquele Maraca, até quem é a favor de sua venda não resistiu a cantar “Fica, Hernane!”.

Então, ele se emocionou. E dentro do campo, agradeceu-os, retribuindo como sempre fez.

Sem precisar de muito, pois nunca precisou. Nada mais que uma chance, um toque. Para ele, basta, é suficiente.

E enquanto preparava o “texto da despedida”, me deparo com a notícia de que ele fica.

Assim, não foi seu último jogo. Foi apenas a certeza do reconhecimento, e de que uma nação o ama.

Éverton foi o melhor em campo, Gabriel entrou para mudar o jogo.

Mas a noite de quarta-feira foi dele.

Com um toque, um gol e 40 mil gritando seu nome.

E para felicidade geral da Nação, que tanto clamou “Fica, Hernane!”, diga ao povo que ele ficou.

Texto originalmente publicado em 27/02/14 no Blog Condição Legal (veja o post original).

Categorias: ColaboradoresPágina inicial

Veja todos os posts de

Veja também:

  • Copa América termina com título brasileiro, mas com muitos problemas

    Apesar do título da Copa América, a Seleção Brasileira ainda precisa melhorar em alguns quesitos para enfrentar os europeus de igual para igual.

  • OSCAR COX E O FOOT-BALL NO RIO DE JANEIRO

    Se você é um daqueles que pensa que chutar uma bola é algo natural do brasileiro, resultado de uma mistura racial harmônica que combina força com gingado, bom, é bem provável que você esteja equivocado.

  • Mercado Europeu: um setor que move milhões

    Entre as várias Ligas europeias algumas são mais rentáveis do que outras. Países como Inglaterra, Alemanha e Espanha dominam o mercado realizando as maiores transações econômicas da história.

  • Apostas esportivas online no Brasil

    Sites de apostas esportivas online. O futuro das apostas no Brasil. Pelo menos 4 bilhões de reais por ano, totalmente livres de tributação.

  • A VIDA SE MEDE EM ATLETIBAS

    A vida se mede em Atletibas... E a amizade, a gente entende bem como, foi se crescendo, e se achegando até o dia que os dois, meninos de calça curta ainda, combinaram que eram melhores amigos, um do outro, outro do um.

  • Uma carta para Ronaldinho

    Oi Ronaldinho! Meu nome é Carlinhos, tenho 9 anos e sou Galo. Galo Doido, é bem mais legal!