A HISTÓRIA DO CAMPEONATO BRASILEIRO

A história do Campeonato Brasileiro, “Brasileirão”, como também é conhecido, é repleta de fatos curiosos. O campeonato é considerado por muitos historiadores, especialistas da imprensa e do futebol como o mais disputado do mundo, pelo fato de possuir diversos clubes com reais possibilidades de conquistar o título a cada edição realizada. O que é diferente de ser o melhor, pois o seu nível técnico diminuiu muito a partir dos anos 1990, com o êxodo dos principais jogadores brasileiros para a Europa e recentemente, em peso, para China e Ásia.

A primeira edição foi realizada em 1959, na época denominada, Taça Brasil. Tinha como objetivo indicar o campeão brasileiro para a disputa da “Copa dos Campeões da América” de 1960, ou Taça Libertadores da América, nome da competição a partir de 1965.

Na ocasião, a Taça Brasil reuniu 16 campeões estaduais e o Esporte Clube Bahia tornou-se o primeiro Campeão Brasileiro ao vencer na final, em uma disputada série melhor de três partidas, o poderoso Santos de Pelé.

 

E 1971? Não foi a primeira edição?

 

Acervo de ilustrações Futbox

Acervo de ilustrações Futbox

 

Até 2010 o Atlético-MG era considerado pela CBF como o primeiro campeão brasileiro, ao vencer o triangular final contra Botafogo e São Paulo em 1971. Porém, em dezembro de 2010 a Entidade unificou todos os títulos brasileiros. Baseou-se no dossiê produzido pelo jornalista e historiador Odir Cunha, que realizou uma pesquisa aprofundada sobre os campeões da Taça Brasil (1959 a 1968), do Torneio Roberto Gomes Pedrosa (1967 a 1969) e da Taça de Prata (1970), a pedido dos seis clubes campeões nesse período: Bahia, Botafogo, Cruzeiro, Fluminense, Palmeiras e Santos.

 

Copa União: a polêmica de 1987. Dois campeões?

 

A decisão sobre o título brasileiro de 1987, a famosa Copa União, não tem fim. Sport e Flamengo disputam na Justiça, desde 1988, quem foi o campeão daquele ano.

Em 4 de março de 2016 o Flamengo sofreu uma dura derrota quando o STF (Supremo Tribunal Federal) negou o seu pedido de reconhecimento do título brasileiro da Copa União. Com a decisão o Sport foi declarado como único campeão brasileiro daquele ano. Essa decisão foi ratificada em 18 de abril de 2017, quando o STF negou novamente o recurso do clube carioca por 3 votos a 1. Saiba mais.

Importante conhecermos o contexto histórico da época e como terminou o Campeonato Brasileiro do ano anterior. A CBF, organizadora da competição desde 1979 (de 1959 a 1978 era a CBD – Confederação Brasileira de Desportos), declarou publicamente que não tinha condições financeiras para realizar a próxima edição, isto é, 1987. Por esse motivo foi criada em 11 de julho de 1987 a União dos Grandes Clubes do Futebol Brasileiro, ou simplesmente, Clube dos 13, que teve Flamengo e São Paulo como idealizadores. Veja mais informações e dados referentes à Copa União aqui .

A ideia era que os próprios clubes organizassem a principal competição do país, como é feito hoje, por exemplo, nas principais Ligas do mundo. Faziam parte do Clube dos 13: Atlético-MG, Cruzeiro, Grêmio, Internacional, São Paulo, Santos, Palmeiras, Corinthians, Flamengo, Vasco, Fluminense e Botafogo. Em seguida foi incluído o Bahia para que a nova Liga tivesse um representante do Nordeste. Para a realização da competição foram chamados ainda: Coritiba, Goiás e Santa Cruz, contemplando também a região Centro-Oeste e formando então, os 16 clubes que disputariam o Campeonato Brasileiro de 1987. Tudo resolvido? Claro que não.

O Clube dos 13 conseguiu, durante as negociações para a estruturação e organização do campeonato, o patrocínio inédito de uma marca para quase todos os clubes da Copa União: a Coca-Cola. Mais detalhes aqui. Isso despertou o interesse da CBF, que já havia chancelado a Copa União e declarado publicamente que não tinha competência para realizar a edição de 1987. Mas agora, milagrosamente, tinha.

Detalhe para a propaganda da época onde apenas 6 clubes não estampavam o logo da Coca-Cola em suas camisas, devido aos acordos anteriores com outros patrocinadores: Corinthians (Kalunga), Flamengo (Petrobras), Internacional (Aplub), Palmeiras (Agip), Santos (Suvinil) e São Paulo (BIC). Todos os 6 estratégicamente posicionados na última fileira da foto.

 

Propaganda da Coca-Cola: Copa União de 1987

Propaganda da Coca-Cola: Copa União de 1987

 

Abaixo o comercial de TV que veiculou na emissora que transmitiu todo o campeonato de 1987, a Rede Globo. Peço desculpas pela qualidade do video:

 

 

Outro ponto fundamental para toda a confusão que dura até hoje, foram os critérios adotados pelo Clube dos 13 (elitistas e autoritários) para a disputa da Copa União, que desconsideraram, por exemplo, o vice-campeão de 1986: Guarani de Campinas. O cenário de guerra estava armado, enfim.

Para conhecer todo o Regulamento de 1986, assista ao video que se encontra no final dessa matéria, do Canal do jornalista, Ubiratan Leal. Aliás, assista a todos os videos para entender toda a história e polêmicas envolvendo os dois Campeonatos de 1987: Copa União e Copa Brasil.

 

Vale a reflexão

 

Juridicamente e legitimamente são duas coisas distintas que podem ou não ser a mesma coisa. Outro ponto importante para o entendimento de tudo o que aconteceu, há mais de 30 anos:

Fatos históricos não mudam com o tempo, decisões em tribunais, sim, dependendo dos interesses políticos ou econômicos de cada gestão.

Quando resgatamos um periodo histórico é fundamental que o analisemos com a cabeça da época, como era a relação da competição com os clubes, torcedores, midia, imprensa e sociedade em geral naquela ocasião. Qual era o propósito daquela competição quando foi criada e, principalmente, disputada dentro de campo. E mais: os critérios de participação, qualificação ou não para outras competições, se haviam outras equivalentes durante aquele periodo de disputa, etc. Não devemos avaliar um periodo ou competição, por exemplo, com julgamentos a partir do nosso presente.

Diante de toda a pesquisa realizada é sensato dizer e, talvez seja o mais justo, que em 1987 tivemos dois campeões brasileiros. Um de fato e outro de direito.

 

Afinal, a “Taça das Bolinhas” é de quem?

 

Acervo de ilustrações Futbox

Acervo de ilustrações Futbox

 

Flamengo e São Paulo disputam na Justiça até o momento a posse em definitiva do Troféu Caixa Econômica Federal, conhecido popularmente como “Taça das Bolinhas“. O troféu foi criado em 1975 pelo escultor Mauricio Salgueiro, encomendado pelo Banco (Caixa) e seria oferecido em parceria com a CBD (a CBF viria a ser criada somente em 1979) a todos os campeões brasileiros a partir daquela edição. Possuía um caráter transitório, ficando em posse do campeão até a edição seguinte. O primeiro clube que se sagrasse tricampeão consecutivo ou fosse cinco vezes campeão alternadamente ficaria com a posse definitiva do troféu.

Entretanto, se considerarmos a unificação de todos os títulos brasileiros, o troféu possuirá um novo pretendente: o Santos Futebol Clube, tricampeão em 1961-62-63, conseguindo atingir o pentacampeonato em 1964-65. Enquanto nada é resolvido, o troféu permanece no cofre da Caixa Econômica Federal.

 

Retornando aos gramados

 

Ao longo dos anos o nome e o sistema de disputa do Brasileirão foram alterados incessantemente pela CBD (1959 a 1978) e CBF (desde 1979). Em 1967 e 1968 foram realizados dois Campeonatos, fórmula similar aos Torneios “Clausura” e “Apertura”, muito utilizada pelos sul-americanos e também pelo México ao longo de suas histórias.

Curiosidade: a nomenclatura “Campeonato Brasileiro” seria adotada oficialmente apenas em 1989, ano em que o Vasco da Gama se sagrou campeão, vencendo o São Paulo na final. Abaixo todas as mudanças de nome até hoje:

 

• 1959 a 1968 = Taça Brasil

• 1967 = Torneio Roberto Gomes Pedrosa

• 1968 a 1970 = Torneio Roberto Gomes Pedrosa | Taça de Prata

• 1971 a 1974 = Campeonato Nacional de Clubes

• 1975 a 1979 = Copa Brasil

• 1980 a 1983 = Taça de Ouro

• 1984 = Copa Brasil

• 1985 = Taça de Ouro

• 1986 = Copa Brasil

• 1987* = Copa União (Módulo Verde) | Copa Brasil (Módulo Amarelo)

• 1988 = Copa União 

• 1989 a 1999 = Campeonato Brasileiro

• 2000 = Copa João Havelange

• 2001 e 2002 = Campeonato Brasileiro

• 2003 em diante = Campeonato Brasileiro – Série A

 

*A Edição de 1987 foi separada em duas competições simultâneas: “Copa União”, realizada pelos clubes (Módulo Verde) e “Copa Brasil”, realizada pela CBF (Módulo Amarelo). A ideia (proposta após a definição da Copa União como sendo a competição nacional daquele ano e que teve a aprovação da CBF para isso) era promover um quadrangular final entre os campeões e vices de cada competição: Flamengo e Inter (Módulo Verde) e Sport e Guarani (Módulo Amarelo), fato que não aconteceu na época e que gera muita polêmica até hoje em relação ao título de “Campeão Brasileiro” daquele ano. Na oportunidade, Flamengo e Internacional se recusaram a disputar o quadrangular contra Sport e Guarani.

 

Um ponto interessante é perceber que os avanços e mudanças significativas na estrutura do Campeonato Brasileiro seguiram uma relação, consciente ou não, com as conquistas da seleção brasileira em Copas do Mundo. Em 1958 o Brasil era campeão mundial pela primeira vez vencendo a anfitriã, Suécia. No ano seguinte foi realizada a primeira competição com abrangência nacional no país, a Taça Brasil de 1959. Um ano após o tricampeonato mundial conquistado no México em 1970, na final antológica contra a Itália (veja a animação stopmotion do quarto gol do Brasil marcado por Carlos Alberto Torres), a competição sofreu seu primeiro avanço institucional e midiático, que abrangeu os anos de 1971 a 2002. Finalmente, após o Penta em 2002, a competição passou a ser disputada no critério de pontos corridos, com jogos de ida e volta, fórmula utilizada desde 2003.

 

Todos os modelos de troféus do Campeonato Brasileiro

 

Ilustrações dos troféus: acervo Futbox

Ilustrações dos troféus: acervo Futbox

 

Ilustrações dos troféus: acervo Futbox

Ilustrações dos troféus: acervo Futbox

 

Veja a Galeria de Troféus completa do Brasileirão – Séries A, B, C e D e de todas as principais competições de clubes e seleções de todo o mundo, atuais e extintas, AQUI.

 

Deca, Octos e Invictos!

 

Palmeiras, Santos, Inter, Cruzeiro e Flamengo (Ilustrações Futbox)

Palmeiras, Santos, Inter, Cruzeiro e Flamengo (Ilustrações Futbox)

 

A partir da Unificação dos Títulos Brasileiros o Palmeiras se tornou o maior campeão da história com dez conquistas, seguido pelo Santos e Flamengo, ambos com oito títulos. O Internacional, tido como o único campeão invicto, façanha alcançada em 1979, ganhou as companhias de Palmeiras (1960), Santos (1963, 1964 e 1965) e Cruzeiro (1966).

Desde 1971, quando o Campeonato Brasileiro passou a contar com as divisões de acesso, apenas Flamengo, Santos e São Paulo nunca foram rebaixados da elite do futebol nacional. Cruzeiro e Chapecoense completavam essa lista até 2019, quando ambos foram rebaixados pela primeira vez.

 

As 12 maiores campanhas da Era dos Pontos Corridos (2003 a 2021)

 

1ª Cruzeiro – 2003: 100 pts (72% de aproveitamento). Nessa 1ª Edição foram 24 equipes e 46 jogos. A partir de 2006 as Edições tiveram 20 clubes;

2ª Flamengo – 2019: 90 pts (78% de aproveitamento). 20 equipes e 38 jogos;

3ª Atlético-MG – 2021: 84 pts (73,7% de aproveitamento). 20 equipes e 38 jogos;

4ª Corinthians – 2015: 81 pts (71% de aproveitamento). 20 equipes e 38 jogos;

5ª Cruzeiro – 2014: 80 pts, 24 vitórias, 67 gols (70% de aproveitamento). 20 equipes e 38 jogos;

6ª Palmeiras – 2016: 80 pts, 24 vitórias, 62 gols (70% de aproveitamento). 20 equipes e 38 jogos;

7ª Palmeiras – 2018: 80 pts, 23 vitórias (70% de aproveitamento). 20 equipes e 38 jogos;

8ª São Paulo – 2006: 78 ptos (68% de aproveitamento). 20 equipes e 38 jogos;

9ª São Paulo – 2007: 77 pts, 23 vitórias (67% de aproveitamento). 20 equipes e 38 jogos;

10ª Fluminense – 2012: 77 pts, 22 vitórias (67% de aproveitamento). 20 equipes e 38 jogos;

11ª Cruzeiro – 2013: 76 pts (66% de aproveitamento). 20 equipes e 38 jogos;

12ª São Paulo – 2008: 75 pts (65% de aproveitamento). 20 equipes e 38 jogos.

 

32 dados significativos sobre a história do Brasileirão (1959 a 2021)

 

Apresentamos o levantamento abaixo, contabilizando pela primeira vez na história, todos os dados de vitórias, empates, derrotas e gols referentes ao ano de 1987 com dois campeonatos: Copa União e Copa Brasil, e com Flamengo e Sport campeões brasileiros respectivamente:

1) Foram realizadas até hoje 66 edições do Campeonato Brasileiro. O Grêmio é o clube que mais participou (63), seguido de Santos (62), Cruzeiro (60), Atlético-MG e Palmeiras (58).

2) Total de Edições entre os quatro primeiros colocados: Palmeiras (23), Grêmio e Internacional (21), Atlético-MG, Santos e São Paulo (20), Cruzeiro e Corinthians (19), Fluminense e Flamengo (15), Vasco (12), Botafogo (11), Bahia, Guarani e Náutico (5), Atlético-PR (4), Coritiba, Fortaleza e São Caetano (3), América-RJ, Red Bull Bragantino, Goiás, Portuguesa, Santa Cruz, Sport e Vitória (2), Bangu, Brasil de Pelotas, Ceará, Londrina, Operário-MS e Ponte Preta (1).

3) O Corinthians é o clube que teve mais rodadas na liderança (contabilizado somente o periodo dos pontos corridos entre 2003 e 2021): 125 no total, seguido do Cruzeiro (109), São Paulo (91), Palmeiras (80), Atlético-MG (66), Flamengo (51) e Fluminense (48).

4) Os maiores públicos: Flamengo vs Santos (155.523 em 1983), Flamengo vs Atlético-MG (154.335 em 1980) e Fluminense vs Corinthians (146.043 em 1976). Enquanto isso, o menor público (da história recente do Campeonato) é de Juventude e Portuguesa em 1997. Apenas 55 testemunhas.

5) O São Paulo é o clube que mais venceu entre 1959 e 2021 (683 vitórias), seguido do Palmeiras (672), Atlético-MG (669), Internacional (666), Grêmio (665), Flamengo e Santos (660), Cruzeiro (642) e Corinthians (640).

6) O clube que mais marcou foi o Santos (2.292 gols), seguido do São Paulo (2.280), Atlético-MG (2.256), Palmeiras (2.175), Flamengo (2.173), Cruzeiro (2.147), Grêmio (2.085), Internacional (2.066), Corinthians (1.980), Fluminense (1.956) e Vasco (1.943).

7) As cinco maiores goleadas até 2020: Corinthians 10×1 Tiradentes-PI (1983), Vasco 9×0 Tuna Luso-PA (1984), Santos 9×2 Bahia (1968), Fluminense 8×0 Fonseca-RJ (1960) e Grêmio 8×0 Perdigão-SC (1967).

8) Os maiores artilheiros em uma única edição: Washington pelo Atlético-PR em 2004 (34 gols), Dimba pelo Goiás em 2003 (31), Edmundo pelo Vasco em 1997 (29), Reinaldo pelo Atlético-MG em 1977 (28) e Guilherme, também pelo Galo, em 1999 (28).

9) Os 11 maiores artilheiros desde 1971: Roberto Dinamite (190 gols – artilheiro de 1974 e 1984), Romário (155 – artilheiro de 2001 e 2005 quando foi o jogador mais velho a ser o goleador do Brasileirão: 22 gols em 31 jogos aos 39 anos), Edmundo (153 – jogador que marcou mais gols em um único jogo: 6 contra o União São João em 1997), Fred (147 – em atividade), Zico (135), Túlio Maravilha (129), Serginho Chulapa (127), Washington (126), Dadá Maravilha e Fred (113), Luís Fabiano (111) e Paulo Baier (109):

 

Acervo de ilustrações Futbox

Acervo de ilustrações Futbox

 

10) O clube que mais pontuou em um único Campeonato Brasileiro foi o Cruzeiro em 2003, total de 100 pontos conquistados em 46 rodadas. Em 2019, o Flamengo marcou 90 pontos em 38 rodadas. Em 2021 o Atlético-MG marcou 84 pontos em 38 rodadas, em 2015 o Corinthians conquistou 81 pontos em 38 rodadas também, ambos superando o Cruzeiro em 2014 e o Palmeiras em 2016 com 80 pontos em 38 rodadas, cada.

11) O clube que mais marcou gols em uma única edição foi o Santos em 2004, recorde de 103 gols.

12) O primeiro gol da história do Brasileirão foi de Alencar (Bahia) contra o CSA em 1959.

13) A Chapecoense é o clube com a pior campanha da “Era dos Pontos Corridos” marcando apenas 15 pontos em 2021. Logo em seguida vem o América-RN com 17 pontos em 2007, Náutico (20 pts em 2013), Avaí (20 ptos em 2019), Paraná (23 ptos em 2018) e Botafogo (27 ptos em 2020).

14) O Santos é o clube que mais jogou (1.569 partidas), seguido do Grêmio (1.566), Flamengo (1.565), São Paulo (1.553), Atlético-MG (1.551), Internacional (1.538), Corinthians (1.520), Cruzeiro (1.498), Fluminense (1.488), Palmeiras (1.480), Vasco (1.424) e Botafogo (1.401).

15) Em 2013 o Cruzeiro se tornou o único clube a vencer todos os adversários do Campeonato Brasileiro, pelo menos uma vez.

16) Em 2021 o Atlético-MG venceu 16 jogos seguidos como mandante.

17) Internacional e Atlético-MG detêm a maior sequência de vitórias: 9 no total. Em 2020 do time Colorado e em 2021 do Galo, seguidos do Cruzeiro com 8 vitórias em 2003 (duas sequências) e Flamengo, também com 8 vitórias (2019), além dos demais clubes com 7 vitórias seguidas: Santos (2004 e 2019), São Paulo (2007 e 2009), Corinthians (2011) e Palmeiras (2019 e 2021).

18) 1979 foi o ano em que mais times participaram do Brasileirão: 94 clubes na disputa.

19) Em 1974, Fluminense e Nacional (AM) se classificaram de fase por um quesito bem incomum: renda nos jogos.

20) O jogador mais velho a disputar uma partida do Brasileirão foi Zé Roberto em 2017 pelo Palmeiras na vitória contra o Botafogo por 2 a 0. Zé tinha 43 anos, 4 meses e 21 dias.

21) Três jogadores lideram a lista de maiores vencedores de títulos do Brasileirão: Pelé, Pepe e Lima. Os três vencerem seis títulos cada um, todos pelo Santos.

22) Dois técnicos são os recordistas de título do Campeonato Brasileiro. Vanderlei Luxemburgo (Palmeiras 1993/94, Corinthians 1998, Cruzeiro 2003 e Santos 2004) e Lula, ex-técnico do Santos (1961/62/63/64/65).

23) Santos e Internacional são os clubes mais vezes vice-campeões, 8 oportunidades, seguido do São Paulo com 6, Cruzeiro e Atlético-MG, ambos com 5 vices, cada.

24) Apenas Santos e Flamengo venceram a Libertadores e o Campeonato Brasileiro no mesmo ano: O Peixe em duas ocasiões (1962 e 1963) e o Flamengo (2019).

25) 13 times venceram o Campeonato Estadual e o Brasileirão no mesmo ano: Bahia (1959 e 1988), Santos (1961, 1962, 1964, 1965 e 1968), Cruzeiro (1966, 2003 e 2014), Botafogo (1968), Palmeiras (1972, 1993, 1994), Inter (1975 e 1976), Fluminense (1984 e 2012), São Paulo (1991), Grêmio (1996), Corinthians (1999 e 2017), Athletico-PR (2001), Flamengo (2009, 2019 e 2020) e Atlético-MG (2021).

26) Apenas Cruzeiro e Atlético-MG venceram a Tríplice Coroa Nacional: Campeonato Estadual (Mineiro, no caso), Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro, feitos conquistados em 2003 pela Raposa e em 2021 pelo Galo, que venceu também a Supercopa do Brasil em 2022.

27) Em 2020 o Flamengo conquistou a Quádrupla Coroa: (Campeonato Carioca, Supercopa do Brasil, Recopa Sul-Americana e Campeonato Brasileiro) se igualando ao Santos (1962: Campeonato Paulista, Taça Brasil, Copa Libertadores e Copa Intercontinental) e (1963: Torneio Rio-SP, Taça Brasil, Copa Libertadores e Copa Intercontinental), além do São Paulo (1993: Supercopa da Libertadores, Copa Libertadores, Copa Europeia/Sul-Americana e Recopa Sul-Americana).

28) O Vitória (BA) é o time que mais vezes foi rebaixado para a Série B, seis vezes: 1982, 1991, 2004, 2010, 2014 e 2018.

29) Goiás e Cruzeiro protagonizaram o jogo com o maior número de expulsões da história do Brasileirão. Foram 14 na mesma partida em 1979.

30) O São Paulo é o clube que mais pontuou na Era dos Pontos Corridos (1.217 pontos), seguido do Flamengo (1.151), Santos (1.147), Corinthians (1.094), Internacional (1.093), Grêmio (1.065), Atlético-MG (1.056), Fluminense (1.055), Cruzeiro (1.030), Palmeiras (1.026), Athletico-PR (1.002), Botafogo (814), Vasco (767), Goiás (685) e Coritiba (646).

31) O São Paulo também é o clube com mais vitórias na Era dos Pontos Corridos: (338 no total), seguido por Flamengo e Santos, ambos com (317 vitórias), Internacional (304), Corinthians (296), Grêmio (295), Atlético-MG e Cruzeiro (empatados com 293), Palmeiras (286), Fluminense (285), Athletico-PR (279), Botafogo (214), Vasco (197), Goiás (189) e Coritiba (169).

32) Segundo a IFFHS (Federação Internacional de História e Estatística do Futebol), o Campeonato Brasileiro é um dos três mais difíceis do mundo. O critério para determinar isso é de acordo com o ranking da própria entidade que usa como base os desempenhos dos cinco melhores times de cada país em torneios nacionais e internacionais. Apenas o Espanhol e o Inglês superam o Brasileirão – Série A, em uma lista com mais de 90 Ligas.

 

Conheça todos os modelos de troféus referentes aos títulos brasileiros, desde 1959, os campeões e curiosidades de cada periodo:

 

 

A lista detalhada de todos os campeões de 1959 a 2021 do Campeonato Brasileiro AQUI.

 

 

Documentários e entrevistas

 

1 – O Campeonato anterior de 1986: cenário armado para a confusão que viria:

 

2 – Entrevista do historiador Odir Cunha ao Canal SporTV em 2011. Cerimônia de entrega dos Troféus e faixas aos campeões brasileiros de 1959 a 1970:

 

3 – Matéria sobre a unificação dos títulos brasileiros:

 

4 – Veja também o documentário sobre a Copa União de 1987:

 

5 – Para quem gosta de polêmica, um estudo amplo sobre o regulamento de 1987:

 

 

“Resgatar o passado significa assegurar o nosso presente para as gerações futuras.”

 

Veja também:

 

Campeonato Brasileiro: nomenclatura e significado histórico

Novo Calendário do Futebol Brasileiro a partir da Temporada 2023/24

As Novas Demarcações do Campo de Futebol

10 Novas Regras para o Futebol

 

 

Fontes:

FUTBOX.com
• Dossiê Unificação dos Títulos Brasileiros a partir de 1959.
(De Odir Cunha e José Carlos Peres)
RSSSF Brasil
Wikipedia.org
• CBF.com.br
• Esportes.Terra.com.br
FutDados.com
• Lance.com.br
Espião Estatístico (GE)
• Placar.Abril.com.br
• Mantos do Futebol
• Ludopédio.com.br

 

Categorias: CampeonatosPágina inicial

Adriano Ávila

A prova inquestionável que existe vida inteligente fora da Terra é que eles nunca tentaram contato com a gente.

Veja todos os posts de

Veja também: