A história da Eurocopa: Todos os campeões

A partir de junho, acontecerá a 16ª edição do mais tradicional torneio de seleções do velho continente: a Eurocopa. Neste ano, a competição irá trazer uma novidade em seu formato: não haverá uma sede fixa. Em vez disso, serão 12 cidades em 12 países diferentes, com a final marcada para Londres.

As 12 sedes da Euro 2020

As 12 sedes da Euro 2020

 

Casas de apostas como a BetWarrior colocam a Inglaterra como principal favorita ao título, com cotação de 6 pra 1 pelo título, um pouco à frente de Bélgica e França. Seria uma conquista inédita para o English Team, que nunca levantou a cobiçada taça.

Ao longo de 60 anos de disputa, a Eurocopa já teve dez campeões diferentes, desde as mais tradicionais até algumas zebras. Confira um pouco dessa rica história.

1960 a 1976: A era dos Torneios “enxutos”

Se hoje a competição conta com 24 seleções, a realidade era bem diferente nos primórdios da Eurocopa. Em seus primeiros anos (ainda chamada de Taça das Nações Europeias), a Euro contava com apenas quatro seleções participantes.

A primeira edição foi na França, em 1960, e contou com União Soviética, Iugoslávia, Tchecoslováquia – três nações que já foram separadas – e com os donos da casa. O título ficou com os soviéticos, liderados pela muralha Lev Yashin – vitória por 2 a 1 sobre os iugoslavos.

Lev Yashin, goleiro da extinta União Soviética, campeã em 1960.

Lev Yashin, goleiro da extinta União Soviética, campeã em 1960.

 

Quatro anos depois, a Espanha faturou seu primeiro título jogando em casa, superando os soviéticos na grande decisão por 2 a 1. Em 1968, outra seleção da casa faturou o título, a Itália. Após empate por 1 a 1 com a Iugoslávia, os italianos venceram o jogo extra por 2 a 0.

Em 1972, foi a vez da Alemanha Ocidental levantar a taça pela primeira vez, em competição disputada na Bélgica. A vitória foi contra a União Soviética, por 3 a 0, com destaque para o artilheiro Gerd Müller, que marcou quatro gols na conquista.

A última edição com quatro seleções foi em 1976, na Iugoslávia, e novamente um campeão inédito: a Tchecoslováquia, que faturou seu único título na história do torneio ao bater a mesma Alemanha de Gerd Müller e Franz Beckenbauer nas penalidades máximas, após empate por 2 a 2.

Veja o pênalti histórico na final da Euro de 1976, cobrado por Antonín Panenka, o inventor de uma cobrança muito conhecida hoje em dia.

 

 

1980 a 1992: Dobro de participantes

Na década de 80, o número de participantes dobrou de 4 para 8. Com o novo formato, os times precisavam disputar uma fase de grupos antes da final. Em 1980, na Itália, a Alemanha faturou o bicampeonato ao superar a primeira geração de ouro da Bélgica por 2 a 1, com dois gols de Horst Hrubesch.

Quatro anos mais tarde, na França, a seleção da casa faturou seu primeiro título. Comandados pela lenda Michel Platini, os “Les Bleus” fizeram uma campanha irrepreensível e bateram a Espanha na decisão por 2 a 0.

 

Platini e a cobrança da falta na final de 1984.

Platini e a cobrança da falta na final de 1984.

 

Em 1988, a Alemanha sediou o torneio pela primeira vez, mas quem ficou com o título em solo alemão foi a Holanda de , que superaram a União Soviética por 2 a 0 na decisão em Munique.

A última edição com 8 clubes foi em 1992, na Suécia, e contou com a primeira grande surpresa da Euro. A Dinamarca, liderada pelo atacante Brian Laudrup, surpreendeu o mundo e derrotou a poderosa Alemanha, campeã do mundo dois anos antes, por 2 a 0.

 

Marco Van Basten e Ruud Gullit (1988) e Brian Laudrup (1992)

Marco Van Basten e Ruud Gullit (1988) e Brian Laudrup (1992)

 

1996 a 2016: Era Moderna

A partir de 1996, a competição passou a ter 16 seleções. A primeira edição do novo formato foi na Inglaterra, que sediou o torneio pela primeira vez. O título, no entanto, ficou com a Alemanha, que se sagrou tricampeã ao derrotar a República Tcheca por 2 a 1, com a conquista sendo decidida apenas no gol de ouro marcado por Oliver Bierhoff na morte súbita.

 

1996: Jurgen Klinsmann comemora o tricampeonato da Alemanha

1996: Jurgen Klinsmann comemora o tricampeonato da Alemanha

 

Em 2000, pela primeira vez, a Eurocopa teve duas sedes, Holanda e Bélgica. Assim como na edição anterior, o torneio foi decidido apenas na morte súbita: vitória da França por 2 a 1 contra a Itália, com gol de David Trezéguet. O time era liderado por ninguém menos que Zinedine Zidane, e havia conquistado a Copa do Mundo em 1998.

Quatro anos depois, a edição sediada por Portugal registrou a maior zebra de todos os tempos da Euro. O título ficou com a seleção da Grécia, que disputava a competição apenas pela segunda vez. Os gregos superaram Portugal, seleção comandada por Luiz Felipe Scolari, por 1 a 0 na decisão e calaram todo o país.

 

Comemoração dos torcedores gregos em 2004.

Comemoração dos torcedores gregos em 2004.

 

Em 2008, começou o domínio da seleção que encantou o mundo naquele período: a Espanha. Jogando na Áustria e Suíça, os espanhóis faturaram o segundo título de sua história na competição batendo a Alemanha por 1 a 0, com gol de Fernando Torres.

Quatro anos mais tarde, na Polônia e Ucrânia, os espanhóis repetiram o feito e conquistaram a taça pela terceira vez, sendo a primeira e única seleção a vencer duas Euros seguidas. O título veio contra a Itália: 4 a 0 na decisão.

 

Andrés Iniesta, o maestro da Espanha na goleada contra a Itália.

Andrés Iniesta, o maestro da Espanha na goleada contra a Itália.

 

Na última Euro, em 2016, foi a vez da redenção de Portugal, que perdeu o título em casa em 2004. Jogando na França, a desacreditada seleção liderada por um certo Cristiano Ronaldo superou os donos da casa na decisão: 1 a 0 na prorrogação, com de Eder.

 

Cristiano Ronaldo com a Taça da Euro 2016.

Cristiano Ronaldo com a Taça da Euro 2016.

 

Todos os Campeões

1º) Alemanha: 1996, 1980, 1972

2º) Espanha: 2012, 2008, 1964

3º) França: 2000, 1984

4º) União Soviética: 1960

5º) Itália: 1968

6º) Tchecoslováquia: 1976

7º) Holanda: 1988

8º) Dinamarca: 1992

9º) Grécia: 2004

10º) Portugal: 2016

Categorias: Campeonatos / SeleçõesPágina inicial

João Corneta

Apaixonado por futebol, história e Design.

Colaborador do FUTBOX | Seja um blogueiro do FUTBOX.

Veja também: