AS NOVAS DEMARCAÇÕES DO CAMPO DE FUTEBOL

Apresentamos as novas demarcações do campo de futebol propostas pelo Futbox e publicadas pela primeira vez em 2017 aqui no Blog. O objetivo é o de sempre: promover a discussão para a melhoria do futebol brasileiro, dessa vez expandido o foco para a evolução do palco onde é praticado o jogo mais popular do mundo.

Em relação aos tamanhos do campo e das traves nada foi alterado, continuam com a padronização 105mx68m (campo) e 7,32mx2,44m (traves dos gols). Mudanças apenas na delimitação da grande área, eliminação da pequena área (como no futsal) e a criação do setor sem impedimento.

Os estudos para as novas demarcações foram baseados nos desempenhos das personagens em cena: jogadores, árbitro, auxiliares (bandeirinhas) e claro, torcedores! Dois objetivos estratégicos: aumentar o dinamismo da partida e a atratividade do espetáculo, o que é bem diferente de correria pelo gramado sem tática alguma.

Levamos em consideração os avanços praticados nas regras de três esportes de grande penetração mundial:

1º) Vôlei: introdução do ataque dos 3 metros (na Olimpíada de 1976 em Montreal – Canadá, a Polônia utilizou essa jogada pela primeira vez em uma competição oficial na partida contra a União Soviética). E venceu;

2º) Basquete: zona de três pontos (em 1984 a FIBA decidiu adotar a regra dos três pontos, utilizada pela NBA desde 1979);

3º) Futebol Americano: demarcações presentes em seus campos, principalmente a área do touchdown (End Zone).

Importante frisar que não se trata da substituição da cultura brasileira pela norte-americana, o foco aqui é o desempenho dos atletas, a beleza do jogo e a satisfação do torcedor. Tudo em harmonia com a comercialização do futebol sem perder a sua essência, promovendo cada vez mais o espetáculo e a ativação das marcas, patrocinadores e parceiros dos clubes e dos campeonatos. (Veja também o estudo sobre o “Novo Calendário do Futebol Brasileiro“).

 

Tres pontos fundamentais para a proposta do Futbox em questão

 

O primeiro observado foi a Regra 11: o impedimento. Essencial para o jogo. Com o condicionamento físico cada vez mais aprimorado dos jogadores, o erro na marcação do impedimento fica mais evidenciado, pois o atacante aguarda o último segundo para partir após o passe e muitas vezes o bandeirinha não tem condições humanas para perceber esse instante, atualmente muito mais rápido, marcando o impedimento de forma equivocada.

O segundo ponto é o avanço tecnológico que evidencia e muito os erros de arbitragem. Uma solução seria retirar os bandeirinhas do campo e recolocá-los em cabines de transmissão com comunicação direta com o árbitro que continuaria presente em campo. De certa forma isso já acontece e está em testes com os árbitros auxiliares. (Desde 2019 o VAR está sendo amplamente utilizado dentro dessa proposta). Mais detalhes em outro artigo que publicamos: “10 Novas Regras Para O Futebol“.

O terceiro e último ponto, talvez a espinha dorsal de tudo isso, é a audiência do jogo. Ela impacta na qualidade do que é entregue ao torcedor e na sua experiência no estádio ou pela WEB, pois a TV como conhecemos está com os dias contatos. Pouca audiência significa pouco investimento. A taxa de ocupação e a presença de público nos estádios brasileiros, com exceção à Corinthians, Palmeiras, Vasco e Flamengo, estão longe do que poderiam. (*Atualização: com a pandemia a partir do início de 2020 esse cenário ficou crítico, no Brasil e no mundo, com a queda vertiginosa da qualidade técnica do jogo praticado nos gramados).

Soma-se a esse terceiro ponto o acesso aos grandes jogos e campeonatos europeus. Quando assistimos a esses jogos e depois aos praticados no Brasil a sensação que temos é um pouco frustrante, pois além dos nossos grandes talentos jogarem no velho continente ou na ásia, o jogo praticado aqui é mais truncado, com muito mais faltas e poucos lances de habilidade e, quando acontecem, são criticados por técnicos defasados ou zagueiros sem qualidade alguma. Entretanto, a proposta para a nova demarcação do campo não é para nivelar o esporte por baixo, se aplica também para o futebol em alto nível, onde inclusive, seria bem mais impactante para a “satisfação de consumo” do torcedor.

 

Por perceber o jogo dessa forma o Futbox propôs as seguintes mudanças nas demarcações do campo de futebol.

 

A seguir o passo a passo em ilustrações que iniciam com o campo atual, com o detalhamento das suas medidas, até à proposta final.

Iniciamos com a grande área, preservando sua largura, mas diminuindo seu comprimento de 16,5m para 13,5m. A distância da cobrança do pênalti permaneceu a mesma, 9,15m do cobrador para os demais jogadores. Com isso a “meia lua” aumentou preservando a sua função, manter o cobrador a uma distância segura para os demais jogadores adversários.

 

Demarcações atuais do campo de futebol

Demarcações atuais do campo de futebol

 

A diminuição da grande área, consequentemente da zona de marcação do pênalti, foi ocasionada pela criação do setor sem impedimento, onde o jogador poderá receber o último passe em qualquer lugar dentro desse setor, sem estar em posição irregular.

 

Diminuição da grande área e eliminação da pequena área

Diminuição da grande área e eliminação da pequena área

 

Introdução do setor SEM impedimento

Introdução do setor SEM impedimento

 

O setor sem impedimento irá provocar uma mudança tática considerável nos esquemas de jogo, aumentando o número de gols sem descaracterizar a tradição do futebol, pois o impedimento continuará existindo na área nobre, o meio de campo, possibilitando os grandes lançamentos, os passes em profundidade e as penetrações dos laterais e demais atacantes.

 

Nova demarcação do campo de futebol

Nova demarcação do campo de futebol

 

A preservação do impedimento foi o alicerce para a proposta da nova demarcação do campo de futebol, como ilustrado nos exemplos a seguir. Abaixo os 11 jogadores de cada time dispostos no campo com as novas demarcações e a área de cobertura dos bandeirinhas. Essa área agora é menor e passa a ser “vigiada” pelos dois ao mesmo tempo, bastando apenas um deles para assinalar alguma irregularidade.

 

Disposição dos jogadores em campo com a nova demarcação

Disposição dos jogadores em campo com a nova demarcação

 

Algumas situações e comparativos para ilustrar a proposta. Lembrando que nas cobranças de escanteio e arremessos laterais o impedimento continua não existindo.

 

Situações mais comuns COM e SEM impedimento

Situações mais comuns COM e SEM impedimento

 

Enquanto a tecnologia não abranger todas as divisões, com auxiliaries (bandeirinhas ou segundos árbitros) em cabines eletrônicas ou VAR, por exemplo, erros como a marcação ou não do impedimento ou demais faltas serão muito mais prejudiciais ao jogo/espetáculo do que antes, pois o futebol está muito mais valioso, dentro e fora de campo e com muito mais responsabilidade social em relação à formação de jovens atletas e cidadãos no Brasil e no mundo.

Essas novas demarcações podem contribuir muito para o jogo de futebol, pois reduzirão os erros e aumentarão o número de gols, sem quebrar a tradição do futebol e nenhuma regra atual. Criarão apenas um setor dentro do campo com uma nova possibilidade tática com o intuito de promover o gol, a expectativa máxima de qualquer torcedor de futebol.

O que você achou da nossa proposta? Comente, questione, compartilhe! Divulgue a sua opinião.

Baixe a Emenda com as mudanças para as regras do jogo, publicada pela IFAB em 1º de junho de 2016 “Revision Of The Law Of The Game“.

 

Veja também:

Novo Calendário do Futebol Brasileiro

10 Novas Regras para o Futebol

 

Fontes:

FUTBOX – Centro de Pesquisa Gráfica Sobre Futebol

Medotologia dos 3Ts – Tradição, Torcida e Troféus

Universidade do Futebol

Globo Esporte

Categorias: OpiniãoPágina inicial

Adriano Ávila

A prova inquestionável que existe vida inteligente fora da Terra é que eles nunca tentaram contato com a gente.

Veja todos os posts de

Veja também:

  • NOVO CALENDÁRIO DO FUTEBOL BRASILEIRO

    Relacionar o patrocinador ao clube de uma forma inteligente e que faça sentido para o torcedor possibilitará a manutenção desse ecossistema, sustentado por um calendário que se preocupe com a sua principal força de trabalho.

  • Més Que Un Club

    O termo ou mesmo, o conceito de “Clube”, tornou-se um paradoxo no Século XXI. O que parece ser preciosismo agora pode se tornar determinante para as escolhas dos fãs e torcedores num futuro próximo.

  • Ouro de Tolo

    A polêmica decisão da CBF no pódio olímpico na Tóquio 2020. A expressão “ouro de tolo” era utilizada na idade media para representar as pessoas que compravam ouro de falsos alquimistas e que na verdade eram pedras sem valor, pintadas de dourado.

  • Dois pesos, duas medidas. Por que o Mundial de Clubes não é tão valorizado pelos europeus?

    Nas derrotas dos sul-americanos os jogadores se jogavam no chão em lágrimas, eram consolados pelo europeus, que nem comemoravam direito o feito: terem sido campeões mundiais de futebol.

  • Ética x Oportunidade

    Existe muita discussão se os treinadores deveriam ou não deixar os clubes em momentos tão importantes numa temporada. Precisamos mergulhar fundo na relação “ética x oportunidade“.

  • Não é o resultado, mas sim o desempenho como maior valor

    Jürgen Klopp e Pep Guardiola são técnicos de futebol, e não treinadores. Os dois gostam e buscam jogar bem, é a prioridade em seus trabalhos.