Saudade

Tenho saudade quando, no gol a gol, alguém gritava: “Pegar de pé é dibra!”.

Tenho saudade quando, na pelada, alguém ia pro gol e berrava: “Não vale bicudo!”.

Tenho saudade quando, no cruzinho, um falava: “Tô no cruzo!”.

Tenho saudade quando errava-se uma jogada e alguém gritava: “ô pereba!”.

Tenho saudade quando alguém gritava: “Paulistinha, dentro!”.

Tenho saudade quando, antes de ir para o trabalho, meu pai batia pênaltis para eu defender.

Tenho saudade do tempo que não valia gol dentro da área no futebol de salão.

Tenho saudade do gol de placa que fiz no Campeonato interno do Colégio Santo Antônio em 1992.

Tenho saudade do tempo em que as comemorações de gol não eram dancinhas.

Tenho saudade quando o chute saia torto e alguém se desculpava: “Foi de rosca!”.

Tenho saudade das camisas sem patrocínios.

Tenho saudade de quando meu pai me levantou na janela comemorando o gol de cobertura do Éder contra a Escócia em 82.

Tenho saudade de jogar “dibrinha” no alpendre da casa da minha vó.

Tenho saudade do álbum da Copa União de 87.

Tenho saudade do tempo em que minha brincadeira preferida era “um no gol de dois times de dois”.

Tenho saudade do kichute amarrado na canela.

Tenho saudade das partidas de jogo de botão narradas por mim mesmo.

Tenho saudade de quando a gente ouvia o hino nacional no futebol do video game e colocava a mão no peito.

Tenho tanta saudade, que é melhor parar por aqui antes que eu inunde o teclado.

Categorias: OpiniãoPágina inicial

André Fidusi

Publicitário e jornalista por formação, ilustrador por vocação. Futebol na veia. Quem pede recebe, quem desloca tem preferência. Pegar de pé é dibra. Vamo que vamo!

Veja todos os posts de

Veja também:

  • Mundo real e mundo virtual: não precisamos abdicar de um para estar no outro

    O não entendimento da relação entre Arte e NFT na comercialização de obras digitais.

  • Futebol Para Todos

    "Rico vai ao estádio. Pobre assiste ao futebol na TV". Além de ser uma miopia social, essa afirmação é uma ingratidão gigantesca. #FutebolParaTodos

  • A Chave da Morte na Copa da Rússia

    As oitavas vão começar! No mata-mata o negócio é diferente, fica muito mais emocionante, ainda mais com a novidade dessa Copa: a "Chave da Morte"!

  • POLÍTICA FC – FUTEBOL, CINEMA E HISTÓRIA

    A importância de inserirmos a política em todos os setores da sociedade, principalmente no esporte, que possui uma função de inclusão social fundamental na história da humanidade.

  • Como Daniel Alves pode mudar o São Paulo?

    A relação entre o craque Daniel Alves e o gigante São Paulo Futebol Clube. A liderança e a grande carreira do lateral bicampeão olímpico serão inspiradores para os jogadores mais novos na segunda metade do Brasileirão?

  • Més Que Un Club

    O termo ou mesmo, o conceito de “Clube”, tornou-se um paradoxo no Século XXI. O que parece ser preciosismo agora pode se tornar determinante para as escolhas dos fãs e torcedores num futuro próximo.