O gol

O gol é o momento de glória do futebol. Até hoje acho estranho quando uma peleja termina em branco. O jogo pode até ter sido bom, movimentado, polêmico e mais um milhão de adjetivos que ainda assim aquele sentimento de vazio impera no meu íntimo. É preferível uma tremenda pelada que terminou 5 a 4. Mas aqui pra nós, existe sensação pior quando o seu time leva um gol? Engana-se quem pensa que todo gol levado dói da mesma forma. De jeito nenhum. Pensando nisso, resolvi detalhar alguns momentos sofríveis no coração do torcedor. Vamos lá.

– Gol no comecinho
Você está todo empolgado para ver seu time. Colocou a camisa, comprou cerveja, belisquete, preparou o terreno e quando se ajeita confortável no sofá o goleirão já foi buscar a pelota no barbante. Corta o tesão. Brocha mesmo. Muda logo pra novela, vai.

– Gol no finalzinho
Jogo emocionante. Seu time há muito não atuava assim, firme, decidido, competitivo. O relógio marca 43 do 2º tempo e aquela frase te assombra: “Agora é hora perigosa!”. Você já ta cansado de saber isso, mas os jogadores não. Um descuido e pimba! “Vai buscar lá dentro!”, berraria o locutor. De volta ao lugar-comum, o jogo só acaba quando termina.

– Gol de escanteio
Tenho certeza que você já teve esse pensamento: “Por que todo escanteio contra o meu time parece pênalti?”. Parei por aqui.

– Gol de falta
Tem aquela na bica da área que o jogador parece que mandou a bola no ângulo com mão. Você joga a culpa no goleiro, mas sabe que o pobre poderia ter oito braços que não chegaria nunca. Tem aquela de longe, da intermediária, um só na barreira, só se for frango. Pronto, pra que fui abrir a boca!

– Golaço
Mérito total do adversário. Pode xingar, gritar, quebrar a casa, queimar a camisa que lá no fundo você sabe que foi de placa mesmo. Fazer o que, meu amigo? Dói sim, mas dói de inveja. Senta e admire o replay.

– Gol feio
Esse dói com força. Tipo aquela topada com o dedo mindinho no pé da mesa. Pelo menos na vontade de mandar todo mundo praquele lugar. Dói porque você sabe que a sua defesa é deplorável, uma peneira mesmo. Falta qualidade, meu caro. O atacante deu aquele traque sem pretensão nenhuma e a bola, tal qual um jogo de pinball, ricocheteou até o fundo do filó.

– Gol contra
O famoso fogo amigo. Tem uns até que são bonitos. Lembra do Oséas?

Esses são só alguns exemplos. O perigo é a matemática, tipo análise combinatória. Respondendo a pergunta inicial: existe sensação pior quando o seu time leva um gol? Existe sim e só pra ficar num exemplo, é levar um golaço contra de escanteio no finalzinho. Olha a matemática aí!

Categorias: OpiniãoPágina inicial

André Fidusi

Publicitário e jornalista por formação, ilustrador por vocação. Futebol na veia. Quem pede recebe, quem desloca tem preferência. Pegar de pé é dibra. Vamo que vamo!

Veja todos os posts de

Veja também:

  • NOVO CALENDÁRIO DO FUTEBOL BRASILEIRO

    Relacionar o patrocinador ao clube de uma forma inteligente e que faça sentido para o torcedor possibilitará a manutenção desse ecossistema, sustentado por um calendário que se preocupe com a sua principal força de trabalho.

  • Repensando o Futebol

    O principal objetivo da tecnologia durante o século XXI será humanizar o ser humano. Diante de todos os desafios atuais, tornou-se mais estratégico do que nunca assimilarmos as pistas que existem nos diversos cenários da sociedade para superar essa pandemia.

  • Ouro de Tolo

    A polêmica decisão da CBF no pódio olímpico na Tóquio 2020. A expressão “ouro de tolo” era utilizada na idade media para representar as pessoas que compravam ouro de falsos alquimistas e que na verdade eram pedras sem valor, pintadas de dourado.

  • Como Daniel Alves pode mudar o São Paulo?

    A relação entre o craque Daniel Alves e o gigante São Paulo Futebol Clube. A liderança e a grande carreira do lateral bicampeão olímpico serão inspiradores para os jogadores mais novos na segunda metade do Brasileirão?

  • Dois pesos, duas medidas. Por que o Mundial de Clubes não é tão valorizado pelos europeus?

    Nas derrotas dos sul-americanos os jogadores se jogavam no chão em lágrimas, eram consolados pelo europeus, que nem comemoravam direito o feito: terem sido campeões mundiais de futebol.

  • Final Libertadores 2018: o alto custo da valorização da marca

    Final da Copa Libertadores da América - edição 2018 - jogo da volta: River Plate campeão após a vitória por 3 a 1 sobre seu arquirrival, o poderoso Boca Juniors. Em pleno Estádio Santiago Bernabéu, Madrid, Espanha.