Os jogadores de futebol e seus cortes de cabelo

Bizarros. Criativos. Originais. O livro “Footballers’ Haircuts” de Cris Freddi traz uma seleção de 80 fotos de jogadores que adotaram diferentes estilos em seus cortes de cabelo.

Assim como a publicação impressa, o Blog do FUTBOX separa a série em cinco capítulos. Antes de 60; 1960 a 1969; 1970 a 1979; 1980 a 1989; e de 1990 a 2003. Selecionamos as “melhores” cabeças contempladas no livro para você conferir por aqui, sempre às sextas-feiras de novembro.

Se você imaginava que os jogadores de futebol não ousavam no visual antes dos anos 60, mude seus conceitos. Apesar dos diferentes cortes e estilos, uma similaridade: cabelos não muito longos, orelhas à mostra, nada de costeletas.

1932 – Eric Houghton foi jogador e treinador do Aston Villa (ENG). O ponta inglês era famoso por seus fortes chutes com a perna canhota. Reza a lenda que em uma vitória da Inglaterra contra a Áustria em 1932, Eric bateu uma falta e acertou o defensor que teria ficado por dez minutos com a mão na cabeça. Falando em cabeça, dê uma olhada no estilão do jogador.

Eric Houghton

Eric Houghton

1934 – Paul Janes foi zagueiro alemão nas Copas do Mundo de 1934 e 1938 e assim como Eric costumava ser o batedor oficial de faltas das equipes que defendia. Foi considerado pela Federação Alemã de Futebol como um dos 20 maiores jogadores de todos os tempos. Homem de poucas palavras, Paul Janes era menos discreto em seu visual e desfilava em campo sua cabeleira loira.

Paul Janes

Paul Janes

1955 – Billy Wright foi capitão da Inglaterra nas Copas de 50, 54 e 58 e por isso também é conhecido por Captain Billy. Foram 90 jogos com a faixa de capitão, recorde compartilhado com Bobby Moore. Foi o primeiro jogador a disputar 100 partidas por uma seleção. Ídolo do Wolverhampton, Captain Billy foi eternizado na história do clube com uma homenagem no Molineux Stadium: uma estátua com o seu peculiar topete.

Billy Wright

Billy Wright

1959 – Ally MacLeod jogou por diversos clubes da Escócia e pelo Blackburn Rovers da Inglaterra. Posteriormente, se tornaria técnico da seleção escocesa na Copa de 78. Nada modesto, ele chegou a afirmar: “Meu nome é Ally Macleod e eu sou um vencedor”.

Ally MacLeod

Ally MacLeod

Categorias: OpiniãoPágina inicial

Gabriel Godoy

Jornalista; frustrou-se na tentativa de ser um jogador profissional; peladeiro; apaixonado por futebol de campo, de rua, de botão, de vídeo-game...

Veja todos os posts de

Veja também:

  • TEXTOS ANTIGOS DE UMA VELHA COPA

    Muitas vezes nos deparamos com textos, fotos ou objetos antigos que estavam esquecidos em nossa memória, mas tiveram um papel importante em nossas vidas.

  • Més Que Un Club

    O termo ou mesmo, o conceito de “Clube”, tornou-se um paradoxo no Século XXI. O que parece ser preciosismo agora pode se tornar determinante para as escolhas dos fãs e torcedores num futuro próximo.

  • You’ll Never Walk Alone. Decepção, Sucesso e Glória

    You'll Never Walk Alone. Um duelo entre dois gigantes europeus pelo título da Champions! Real Madrid vs Liverpool. Um jogo memorável, até os 24 minutos do primeiro tempo.

  • POLÍTICA FC – FUTEBOL, CINEMA E HISTÓRIA

    A importância de inserirmos a política em todos os setores da sociedade, principalmente no esporte, que possui uma função de inclusão social fundamental na história da humanidade.

  • Não é o resultado, mas sim o desempenho como maior valor

    Jürgen Klopp e Pep Guardiola são técnicos de futebol, e não treinadores. Os dois gostam e buscam jogar bem, é a prioridade em seus trabalhos.

  • Final Libertadores 2018: o alto custo da valorização da marca

    Final da Copa Libertadores da América - edição 2018 - jogo da volta: River Plate campeão após a vitória por 3 a 1 sobre seu arquirrival, o poderoso Boca Juniors. Em pleno Estádio Santiago Bernabéu, Madrid, Espanha.