Três Estágios

Do torcedor

A constatação: “É, não adianta, esse time tá fraco demais mesmo. Desse jeito é série B.”
A Negação: “Duas vitórias seguidas! Quem sabe? O Campeonato ainda tá na metade, tem muito time ruim pela frente, acho que a gente escapa!”
A confirmação: “Eu sabia! Aquele empate em casa depois de estarmos ganhando por 2 a 0 foi crucial. Ano que vem não vou em nenhum jogo. Tenho vergonha na cara!”

Do Cartola

A constatação: “Nossa, que timinho eu fiz esse ano. Achei que era só vender alguns jogadores e repor as peças.”
A negação: “Ganhamos o estadual, acho que a pressão vai aliviar um pouco, é só ir bem no próximo campeonato.”
A confirmação: “Ainda bem que entrei pra política!”

Do Goleiro

A constatação: “O centroavante deles é o artilheiro do Campeonato.”
A negação: “Mas ainda não me enfrentou!”
A confirmação: “Vendo agora, acho que falhei no 3º gol dele.”

Do Centroavante

A constatação: “Dez jogos sem marcar. Que fase…”
A negação: “Um golzinho hoje e tudo volta a ficar numa boa.”
A confirmação: Manchete: Centroavante amarga o pior jejum da carreira sem marcar.

Do Zagueiro

A constatação: “Nossa defesa é a pior do campeonato.”
A negação: “Mas hoje é a nossa zaga titular, tempão que não jogamos juntos.”
A confirmação: “Sabia que não devia recuar aquela bola…”

Do Árbitro

A constatação: “Puta que pariu! 47 do segundo tempo e um lance desse contra o time da casa!”
A negação: “Não posso marcar esse pênalti!”
A confirmação: “Agora já era! Um tempinho na geladeira e depois ninguém lembra mais. Ainda consigo ir pra Copa!”

Da Bola

A constatação: “Já não me tratam como antigamente.”
A negação: “Deve ser esse material novo.”
A confirmação: “Porra nenhuma, é ruindade mesmo!”

Categorias: OpiniãoPágina inicial

André Fidusi

Publicitário e jornalista por formação, ilustrador por vocação. Futebol na veia. Quem pede recebe, quem desloca tem preferência. Pegar de pé é dibra. Vamo que vamo!

Veja todos os posts de

Veja também:

  • Varsóvia, 1939: a última partida

    Durante seis anos, entre 1939 e 1945, cada partida de futebol poderia ser a última. E para muitos foi. A história da "Última Partida" em solo polonês antes da II Guerra Mundial.

  • NOVO CALENDÁRIO DO FUTEBOL BRASILEIRO

    Relacionar o patrocinador ao clube de uma forma inteligente e que faça sentido para o torcedor possibilitará a manutenção desse ecossistema, sustentado por um calendário que se preocupe com a sua principal força de trabalho.

  • Final Libertadores 2018: o alto custo da valorização da marca

    Final da Copa Libertadores da América - edição 2018 - jogo da volta: River Plate campeão após a vitória por 3 a 1 sobre seu arquirrival, o poderoso Boca Juniors. Em pleno Estádio Santiago Bernabéu, Madrid, Espanha.

  • Como Daniel Alves pode mudar o São Paulo?

    A relação entre o craque Daniel Alves e o gigante São Paulo Futebol Clube. A liderança e a grande carreira do lateral bicampeão olímpico serão inspiradores para os jogadores mais novos na segunda metade do Brasileirão?

  • Repensando o Futebol

    O principal objetivo da tecnologia durante o século XXI será humanizar o ser humano. Diante de todos os desafios atuais, tornou-se mais estratégico do que nunca assimilarmos as pistas que existem nos diversos cenários da sociedade para superar essa pandemia.

  • Golaço: Conheça a história do gol mais bonito marcado por Pelé. E que não foi filmado!

    No dia 2 de agosto de 1959 o Rei Pelé marcava aquele que seria considerado pelo próprio, como “o gol mais bonito de sua carreira”, na vitória do Peixe por 4 a 0, diante do Juventus-SP, na famosa Rua Javari.