Top 5 Curiosidades da Copa do Mundo de 82

Com tempo pra se preparar. Mais seleções. Juventude e goleada. Crescendo na hora certa. Redução de pena.

Veja o Top 5 Curiosidades da Copa do Mundo de 82. Confira também no Blog do Futbox as histórias das Copas de 1930 a 1978.

 

1) Antecedência máxima

Em 1964, a FIFA oficializou a Espanha como a sede oficial da Copa do Mundo de 1982. Dessa maneira, o país teve 18 anos para se preparar para organizar o evento. Para isso, mandou representantes para os mundiais de 1966, 1970, 1974 e 1978. O objetivo era claro: aperfeiçoar as boas ideias e não repetir os erros cometidos por outras sedes.

 

2) Inchaço

Às vésperas da Copa de 1974, João Havelange foi eleito presidente da FIFA e uma de suas promessas era aumentar para 20, o número de países classificados para as Copas do Mundo. Apesar do atraso – 16 seleções disputaram em 1978 – a edição de 1982, foi “inchada” para 24 equipes (entre elas, as estreantes Argélia, Camarões, Honduras, Kuwait e Nova Zelândia). Com isso, eram necessárias mudanças na fórmula de disputa e a FIFA estabeleceu seis grupos de quatro seleções; as duas primeiras classificavam a segunda fase e seriam divididas em grupos de três. Os líderes avançavam as semifinais.

 

3) Recordes

Na primeira fase, Norman Whiteside tornou-se o jogador mais jovem a disputar uma partida de Copa do Mundo. Com 17 anos e 41 dias, ele defendeu a Irlanda do Norte no jogo de estreia contra a Iugoslávia, que acabou em empate sem gols. Já a Hungria, aplicou 10×1 em El Salvador, a maior goleada da história dos mundiais, porém foi eliminada depois de derrota para a Argentina e empate contra a Bélgica.

 

4) Time de decisão

A campeã Itália entrou desacreditada na 2ª fase da Copa de 82. Isso porque a Azurra havia apenas empatado as suas três partidas da fase de grupos. Como na época a vitória valia apenas dois pontos, a seleção se classificou e, posteriormente, conquistou seu terceiro título mundial ao vencer a Alemanha Ocidental por 3×1 na decisão.

 

5) Totonero

Paolo Rossi foi o artilheiro da Copa de 82. Mas o craque quase ficou de fora da delegação italiana que viajou à Espanha. Isso porque em 1980, o atacante se envolveu no “Totonero”, escândalo no futebol italiano que condenou clubes, dirigentes e jogadores por manipulação de resultados. Rossi foi punido com três anos de suspensão e só participou da Copa porque a pena foi diminuída para dois anos.

 

Fonte: O mundo das Copas, de Lycio Vellozo Ribas

Categorias: Opinião / SeleçõesPágina inicial

Gabriel Godoy

Jornalista; frustrou-se na tentativa de ser um jogador profissional; peladeiro; apaixonado por futebol de campo, de rua, de botão, de vídeo-game...

Veja todos os posts de

Veja também:

  • POLÍTICA FC – FUTEBOL, CINEMA E HISTÓRIA

    A importância de inserirmos a política em todos os setores da sociedade, principalmente no esporte, que possui uma função de inclusão social fundamental na história da humanidade.

  • NOVO CALENDÁRIO DO FUTEBOL BRASILEIRO

    Relacionar o patrocinador ao clube de uma forma inteligente e que faça sentido para o torcedor possibilitará a manutenção desse ecossistema, sustentado por um calendário que se preocupe com a sua principal força de trabalho.

  • Repensando o Futebol

    O principal objetivo da tecnologia durante o século XXI será humanizar o ser humano. Diante de todos os desafios atuais, tornou-se mais estratégico do que nunca assimilarmos as pistas que existem nos diversos cenários da sociedade para superar essa pandemia.

  • Top 5 Curiosidades das Copas: 1950, 54 e 58

    Top 5 Curiosidades das Copas. Uma pátria sem chuteiras! A 1ª Copa ao vivo pela TV. O Brasil finalmente é campeão! O mundo conheceria Pelé e Bellini, o capitão do Brasil, eternizaria um gesto.

  • Copa América termina com título brasileiro, mas com muitos problemas

    Apesar do título da Copa América, a Seleção Brasileira ainda precisa melhorar em alguns quesitos para enfrentar os europeus de igual para igual.

  • Ouro de Tolo

    A polêmica decisão da CBF no pódio olímpico na Tóquio 2020. A expressão “ouro de tolo” era utilizada na idade media para representar as pessoas que compravam ouro de falsos alquimistas e que na verdade eram pedras sem valor, pintadas de dourado.