Super jogo

Quando criança, minhas brincadeiras preferidas sempre estiveram ligadas ao futebol. Jogo de botão, peladinha na rua, gol a gol no corredor de casa, até nos videogames tinha que ter uma pelota rolando. Quando a situação era desfavorável, a imaginação voava longe. Era aí que eu me superava! Naquelas tardes, sozinho em casa, tédio no último andar, pegava a caixa de brinquedo e o mundo da fantasia começava. Quem nunca simulou uma partida de futebol com os vários bonecos de super-heróis, aqueles de plástico colorido que vinham num saquinho, que atire o primeiro cartão, quer dizer, a primeira pedra.

Pois bem, depois de grandinho comecei a imaginar como ficaria uma escalação dos times. Uma partida entre os heróis e os vilões. O resultado foi este:

Heróis Futebol e Camaradagem

Goleiro:
Aqui já temos uma disputa por posição. Primeiro o Homem Aranha. Faria inveja aos goleiros que rebatem a bola no pé do atacante e te matam de raiva. Complicado vai ser para repor a pelota em jogo. No vácuo, vem o Sr. Fantástico. Elasticidade pura, defesas impossíveis e acrobáticas. O problema é esticar demais e embolar com a trave.

Laterais:
Coil, o Homem Mola, dos Impossíveis. Vai e volta que é uma beleza. Na outra lateral vai o Aquaman. Fôlego invejável.

Zagueiros:
Classe e elegância com o Capitão América (que pelo nome já seria o capitão do time). Ao seu lado, para não brincar em serviço e mandar alguém pro alambrado quando for preciso, a brutalidade do Incrível Hulk.

Meio Campo:
Todo time tem um “carregador de piano”, nesse, o cara (por motivos óbvios) é o He-Man. Robin seria o homem de marcação, obedecendo todas as ordens do seu parceiro de aventuras e meia cancha, o Cavaleiro das Trevas, Batman. Este daria o toque de inteligência ao setor.

Ataque:
Escalaria três atacantes. Por uma das pontas, rápido como uma bala, The Flash. O problema vai ser o tanto de impedimento que o bandeirinha vai marcar. Na outra ponta, o também rápido e rasteiro e grande promessa, Willycat, dos Thundercats. Como referência na frente, o centroavante rompedor, parente de Dario peito de Aço, o Homem de Aço, Superman.

Técnico:
Professor X

Bandidagem Futebol e Roubalheira

Goleiro:
Dr. Octopus. Agilidade e vários braços para ajudar.

Zaga:
Para botar medo (e bota medo nisso!) no ataque adversário, uma dupla de zaga de arrepiar, Espantalho e Munrah. Nâo sei se jogam bem, mas com certeza iriam tocar o terror.

Laterais:
Vamos de Aquático, pelo mesmo motivo do Aquaman e Dr. Freeze para tentar congelar o Flash.

Meio Campo:
Um triângulo ousado e perigoso. Coringa, Brainiac e Duas Caras. Aqui ninguém marca, no máximo roubam a bola do adversário.

Ataque:
Para confundir a defesa, ninguém menos que o Charada. Para aproveitar o cochilo da zaga adversária, o mestre dos sonhos, Freddy Krugger. E lá na frente, esperando o arremate, o matador Jason Sexta-Feira 13!

Técnico:
Lex Luthor

E aí, em quem você apostaria?

Categorias: OpiniãoPágina inicial

André Fidusi

Publicitário e jornalista por formação, ilustrador por vocação. Futebol na veia. Quem pede recebe, quem desloca tem preferência. Pegar de pé é dibra. Vamo que vamo!

Veja todos os posts de

Veja também:

  • Repensando o Futebol

    O principal objetivo da tecnologia durante o século XXI será humanizar o ser humano. Diante de todos os desafios atuais, tornou-se mais estratégico do que nunca assimilarmos as pistas que existem nos diversos cenários da sociedade para superar essa pandemia.

  • POLÍTICA FC – FUTEBOL, CINEMA E HISTÓRIA

    A importância de inserirmos a política em todos os setores da sociedade, principalmente no esporte, que possui uma função de inclusão social fundamental na história da humanidade.

  • Varsóvia, 1939: a última partida

    Durante seis anos, entre 1939 e 1945, cada partida de futebol poderia ser a última. E para muitos foi. A história da "Última Partida" em solo polonês antes da II Guerra Mundial.

  • Més Que Un Club

    O termo ou mesmo, o conceito de “Clube”, tornou-se um paradoxo no Século XXI. O que parece ser preciosismo agora pode se tornar determinante para as escolhas dos fãs e torcedores num futuro próximo.

  • GreNal é o clássico no Brasil de maior rivalidade segundo jornal inglês

    Segundo o dicionário, rivalidade significa: concorrência, competição entre pessoas que pretendem a mesma coisa. No futebol, esse significado é elevado ao quadrado!

  • Dois pesos, duas medidas. Por que o Mundial de Clubes não é tão valorizado pelos europeus?

    Nas derrotas dos sul-americanos os jogadores se jogavam no chão em lágrimas, eram consolados pelo europeus, que nem comemoravam direito o feito: terem sido campeões mundiais de futebol.