Ética x Oportunidade

Existe muita discussão se os treinadores deveriam ou não deixar os clubes em momentos tão importantes e estratégicos numa temporada, principalmente se forem treinadores jovens e promissores. A justificativa por parte dos que defendem essas saídas é uma só: oportunidade.

Ontem, dia 9 de novembro de 2020, Rogério Ceni deixou o Fortaleza para comandar o time do Flamengo. Para muitos torcedores e jornalistas fez o correto, aproveitou a oportunidade para treinar o melhor elenco da América do Sul, com reais chances de conquistar vários títulos importantes, repetindo o excelente desempenho do ano anterior, quando o time rubro-negro foi comandado pelo português Jorge Jesus.

Chegada de Rogério: aeroporto do Rio e torcida do Flamengo em festa.

Chegada de Rogério: aeroporto do Rio e torcida do Flamengo em festa.

 

Em 2019 Rogério fez igual, deixou o mesmo Fortaleza para treinar o Cruzeiro. Nas duas oportunidades o Campeonato Brasileiro encontrava-se numa fase bem avançada e o Fortaleza vinha numa campanha sólida, mérito do treinador. Inclusive, o clube cearense ficou a uma posição de disputar a “Seletiva” da Libertadores para a Fase de Grupos em 2019, ano em que o clube celeste foi rebaixado pela primeira vez em sua história. Rogério não estava mais no Cruzeiro, já tinha sido demitido. Ficou no comando apenas 8 jogos, exatos 46 dias e depois retornou ao Fortaleza.

Todo esse “vai e vem” não é exclusividade do ex-goleiro multicampeão do São Paulo. No Brasil a profissão de treinador ou técnico de futebol (há uma confusão de terminologia e função dos cargos no país) sofre muita pressão por parte dos torcedores e, geralmente, os dirigentes dos clubes cedem à pressão popular demitindo seus treinadores após uma sequência de derrotas ou uma eliminação em competições no formato mata-mata, mesmo que o time se encontre entre os melhores ou mais bem posicionados nas tabelas de outros campeonatos.

Abaixo os agradecimentos do Fortaleza à Ceni e um fato importante: o treinador ao sair levou junto toda a comissão técnica do clube:

 

Entretanto, existe um paradigma nesse cenário de saídas e chegadas de treinadores: essa mesma atitude – sair de um clube em qualquer momento da temporada – também reforça a insegurança nos seus contratos de trabalho, já que os impedem de implementarem suas filosofias e mais, validarem suas convicções, colhendo os resultados da fase inicial ou da primeira temporada. Jürgen Klopp e “Pep” Guardiola são bons exemplos dessa dinâmica, pois não conquistaram nenhum título em suas primeiras temporadas no Liverpool e Manchester City, respectivamente, foram colher os frutos depois e hoje estão inseridos totalmente na história dos clubes onde trabalham.

Jürgen Klopp campeão no Liverpool após duas temporadas.

Jürgen Klopp campeão no Liverpool após duas temporadas.

 

Pep Guardiola no City: respeito e admiração dos torcedores.

Pep Guardiola no City: respeito e admiração dos torcedores.

Retornando ao Brasil, a questão ou argumentação “oportunidade” parece ser o suficiente para justificar as saídas desses profissionais dos clubes “menores” para os clubes “maiores”, mas quando a transação envolve dois gigantes do futebol, aí a história muda e a questão “ética” é colocada em destaque nas pautas e mesas redondas, passa a ser prioridade.

Precisamos amadurecer mais essa discussão e mergulhar fundo na relação “ética x oportunidade“, pois a primeira não pode ficar sujeita à segunda, na verdade não deveria se submeter a nenhum outro tipo de situação, mas a realidade brasileira é dura, inconstante e traiçoeira, e não podemos ser ingênuos e não mensurar tais circunstâncias nas situações que passamos pela vida, tomando o cuidado de não usar a segunda como muleta ou atalho para nossas decisões e objetivos de vida e carreira.

 

Podcast:

 

Clique na imagem abaixo e confira o bate-papo na íntegra no Bora Pra Resenha Podcast onde falamos sobre a revitalização das marcas dos clubes de futebol, seleção brasileira, calendário, VAR, regras atualizadas, as novas demarcações do campo e muitas outras curiosidades sobre a história do futebol:

Futbox no Bora Pra Resenha

Futbox no Bora Pra Resenha

 

 

Veja também:

 

Há 8 anos acontecia uma partida histórica de futebol na Palestina: equipes de Gaza e Cisjordânia se encontravam após 15 anos do bloqueio imposto por Israel

Guia do Mundo Árabe FC: Os significados dos nomes de 250 clubes de 23 países

Política FC: Futebol, Cinema e História 

Para mulheres, jogar futebol já foi caso de polícia durante a ditadura

Honduras contra El Salvador: A partida de futebol que iniciou uma guerra

Mundialito: a Copa que a Fifa escondeu

Fatos Históricos e Reconhecimentos

A história do Campeonato Brasileiro

Campeonato Brasileiro: nomenclatura e significado histórico

Metodologia dos 3Ts: Tradição, Torcida e Troféus

10 Novas Regras para o Futebol

As Novas Demarcações do Campo de Futebol

O Novo Calendário do Futebol Brasileiro

 

 

Categorias: OpiniãoPágina inicial

Adriano Ávila

A prova inquestionável que existe vida inteligente fora da Terra é que eles nunca tentaram contato com a gente.

Veja todos os posts de

Veja também:

  • Não é o resultado, mas sim o desempenho como maior valor

    Jürgen Klopp e Pep Guardiola são técnicos de futebol, e não treinadores. Os dois gostam e buscam jogar bem, é a prioridade em seus trabalhos.

  • POLÍTICA FC – FUTEBOL, CINEMA E HISTÓRIA

    A importância de inserirmos a política em todos os setores da sociedade, principalmente no esporte, que possui uma função de inclusão social fundamental na história da humanidade.

  • AS NOVAS DEMARCAÇÕES DO CAMPO DE FUTEBOL

    Mais gols, mais emoção e menos erros de arbitragem! Conheça as novas demarcações do campo de futebol. Comente e divulgue a sua opinião!

  • NOVO CALENDÁRIO DO FUTEBOL BRASILEIRO

    Relacionar o patrocinador ao clube de uma forma inteligente e que faça sentido para o torcedor possibilitará a manutenção desse ecossistema, sustentado por um calendário que se preocupe com a sua principal força de trabalho.

  • Ouro de Tolo

    A polêmica decisão da CBF no pódio olímpico na Tóquio 2020. A expressão “ouro de tolo” era utilizada na idade media para representar as pessoas que compravam ouro de falsos alquimistas e que na verdade eram pedras sem valor, pintadas de dourado.

  • Golaço: Conheça a história do gol mais bonito marcado por Pelé. E que não foi filmado!

    No dia 2 de agosto de 1959 o Rei Pelé marcava aquele que seria considerado pelo próprio, como “o gol mais bonito de sua carreira”, na vitória do Peixe por 4 a 0, diante do Juventus-SP, na famosa Rua Javari.